9 de fevereiro de 2014

Informação Geral

Alteração do Standard do Lizard na LCA-Lizard Canary Association

Excelentíssimos Criadores do canário Lizard, chamo a atenção para a alteração do standard do Lizard relativamente ao tamanho passando do limite máximo de 12,5cm para os 13,5cm na LCA-Lizard Canary Association. Abri um tópico no qual os interessados devem participar:

                                                                                                           
http://www.canariculturatuga.com/forum/index.php?topic=8694.msg72034;topicseen#msg72034


The Lizard Canary Association of Great Britain Official Show Standard



SCALE OF POINTS FOR LIZARD CANARIES

Spangles
For regularity and distinctness
25
Feather Quality
For tightness and silkiness
15
Ground Colour
For depth and evenness
10
Breast
For extent & regularity of Rowing's
10
Wings and Tail
For neatness and darkness
10
Cap
For neatness and shape
10
Covert Feathers
For Lacing's
  5
Eyelash
For regularity and clarity
  5
Beak , Legs & Feet
For darkness
  5
Steadiness & Staging
  5

                                                                         
Condition is taken for granted.  A bird which, in the opinion of the Judge, is not in perfect health or which shows any physical defect shall not be credited with any points for other virtues.
In classes of Non Capped or Nearly Non Capped Lizards, points to a maximum of TEN are awarded for the perfection of spangling on the head.
The wearing of Rings is optional.  If worn, closed or open rings may be used in accordance with the wishes of the exhibitor.



Forte Abraço e Saudações Ornitológicas

################################################



Introdução ao Lizard 


     Muitos criadores escolhem esta magnífica raça como um desafio às suas capacidades de poder de antevisão a resultados inesperados. E isto porquê? Porque o Lizard para ser apurado na raça e aspecto, necessita de elementos que têm resultados aleatórios. Não me refiro apenas ao típico pormenor da calota ou coroa que tem a variante do fenótipo, i.e., as calotas tem resultados que não se verificam matematicamente, no entanto há estudos que fazem uma previsão das hipotéticas possibilidades de calotas como veremos adiante. Refiro-me também à pureza do dourado e do prateado sendo interessante a sua obtenção. Mas mais importante que a coroa e pureza dos factores são, sem dúvida, as costas onde estão as escamas, "spangling",o peito onde estão as listas, "rowings" e a condição da plumagem que adornam de tal forma a ave que a tornam, sem dúvida, numa das raças mais belas de canários. É um verdadeiro desafio conseguir apurar tão variada gama de factores conjugando-os num só exemplar.

     O Lizard é uma ave robusta, suportando bem as temperaturas altas e baixas, inteligente e curioso, é vigoroso e alegre, o seu canto é especial, forte, com nuances melódicas características da raça. É uma ave muito viva que nunca está parada, saltando de poleiro para poleiro na gaiola, agarrando-se várias vezes às grades. No voadouro parece que é selvagem voando rapidamente e em círculos, brincando no ar nas suas disputas e ao mesmo tempo meigo e de fácil lidação. Realmente é um prazer observá-lo descobrindo todos os dias novas poses, novos reflexos da sua plumagem brilhante. 

     Por vezes não se acerta imediatamente no dimorfismo sexual pois as fêmeas também cantam quando muito jovens, embora para quem esteja familiarizado, o canto seja diferente, mais curto, triste e baço que no macho. As fêmeas tendem progressivamente a deixar de cantar escutando o canto dos machos muito quietas no seu poleiro. Geralmente as fêmeas têm o peito mais listado. Ao 3º ou ao 4º ano de vida aí as fêmeas podem voltar a manifestar-se cantando e por vezes tal e qual machos, indicando por vezes inaptidão para a procriação, o que não é frequente.
     O Lizard clássico, de que sou criador, é o único credível para os clubes Ingleses, caracteriza-se por dois factores: O intenso, chamado Dourado e o nevado, chamado Prateado. São ambos muito belos e válidos em todas as exposições. Também existem outras variedades de Lizards: Os Lizard azuis, contem o factor óptico azul distinguindo-se pela coroa que, quando existe, é totalmente branca num fundo cinzento baço. Os vermelhos que não são mais que coloridos com cantaxantina. Os Ágata, Opala, Isabel e Satinet, fruto de cruzamentos com outras raças de cor, estes Lizards de melanina diluída não são aceites em concursos pela COM.

     Na classificação académica dos canários considera-se o Lizard um canário de porte, no entanto há quem o defina como canário de desenho. Pessoalmente concordo com esta última classificação que se adapta muito bem ao Lizard pois ele é principalmente classificado pelo desenho que apresenta. É pontuado principalmente pelas escamas dorsais, condição da plumagem, depois pelas riscas do peito e então por outros itens menos significativos (ver Standard do Lizard).
     Se gosta de canários, obtenha alguns exemplares desta tão nobre raça que é o Lizard e deixe-se deslumbrar por este fascinante canário. Aprenda os seus segredos aprofundando o seu estudo, contribuindo para a aproximação ao Standard.




História  


     Desde há muito que as aves fazem parte da companhia do homem, quer para alimentação, quer de estimação e até para trabalho como as emas, os gansos, os mergulhões, os pombos-correios e muitos mais. Lembro-me que no tempo da guerra colonial portuguesa os soldados muitas vezes traziam um periquito, ou um papagaio ao ombro, o seu companheiro de tantos anos de solidão e medo.

... e havia o canário, serinus canaria predilecto da nobreza e clero, em tempos muito mais recuados. Na nobreza por ser fino e pela grandiosidade do seu canto que deslumbrava. No clero, pela paz e pureza relacionados não só pelo canto, mas também pela mística espiritual que envolve a companhia deste maravilhoso passarinho. Ainda hoje monges cristãos, criam canários dando-lhes amor e recebendo em troca amor também. Só quem criou canários pode compreender a riqueza espiritual que esta ave proporciona, talvez a grande resposta do porquê criar canários.

     O Lizard é a raça mais antiga de canários que não sofreu alterações na sua forma, apareceu no princípio do século XVI em França sendo, a meu ver, fruto do cruzamento de um canário comum verde com um outro serinus. Pode ter sido fruto de cruzamentos entre o canário comum e o Canário Listado, natural das terras altas da Tanzânia, cuja aparência é muito semelhante à do actual canário Lizard, tanto no desenho dorsal como peitoral. Pode também ter aparecido com cruzamentos entre um canário comum e um vulgar serzino actualmente europeu também chamado de chamariz, ou milheirinha, Serinus serinus, que apenas surgiu no Velho Continente, vindo de África, nos finais do século XIX, apresentando-se ainda hoje com fenótipos variados. Esta espécie aparece, por vezes na natureza, com muitas características semelhantes às do actual Lizard nomeadamente com listas no peito e uma aproximação de escamas dorsais. Estes traços poderiam ter sido seleccionados ao longo dos anos, pois do cruzamento entre canários e serzinos resultam descendentes férteis.
     Não creio que tenha havido uma mutação. Assim, possivelmente, temos o Lizard fruto de um cruzamento entre canário comum e canário listado da Tanzânia, ou um serzino. Talvez mais a hipótese de um cruzamento entre canário comum verde com algum serzino Africano. A hipótese de cruzamento com o Canário Listado da Tanzânia é pouco provável pois estes serinus vivem a grandes altitudes onde a pressão atmosférica é muito baixa. 

     Povoam áreas acima dos 2000m2. E lembremo-nos que A Tanzânia era uma colónia Inglesa e os primeiros Lizards surgiram em França. Será que existia alguma espécie de serinus na Europa, no sec. XVI, que acabou por desaparecer deixando-nos como herança o nobre Lizard?
    Os Lizards, sem se saber porquê, aparecem em França com intuito lucrativo, sendo levados para Inglaterra em meados do século XVI aquando da divergência entre católicos e protestantes. Então, em Inglaterra o chamado "Comun French Canarie" tomou a designação de LIZARD. Comparado, devido ao desenho das suas penas, a um lagarto. Esta raça foi a única que se manteve inalterável ao longo do tempo.

     A revolução industrial no Século XIX e a melhoria da qualidade de vida, deu em Lancashire oportunidade aos operários da indústria têxtil de conseguir satisfazer o seu desejo de criar canários. Para o canário Lancashire e também para o canário Lizard foi formado o primeiro clube especializado chamava-se "ASSOCIAÇÃO DOS CRIADORES LANCASHIRE E LIZARD ". Esta associação subsistiu até 1939, quando a 2ª guerra mundial explodiu. Mas esta raça, embora tão querida de todos, sem se saber porquê, começou a rarear estando quase extinta após a 2ª grande guerra. Foi no pós guerra que vários criadores experientes, a partir de um reduzido número de casais, conseguiram a continuidade da raça.
     Hoje em dia começam-se a encontrar Lizards por todo o Mundo, existindo associações dedicadas a este género de canários, nomeadamente em Inglaterra, proporcionando exposições e concursos exclusivos da raça.

     Há muitos mistérios para solucionar neste belo passarinho como o caso do schimel ou neve. A ave apresenta manchas brancas nos bordos das penas e mesmo penas brancas, que aparecem no 2º ano de vida e também durante o 1º ano se perderem penas, o que se deve evitar. Porquê este fenómeno?
     É comparável ao aparecimento de cabelos brancos no homem? Ou o fruto de uma de uma despigmentação atípica? Será que se pode contornar este defeito através da selecção feita pelos criadores? É um bom desafio. Outro seria conseguir-se Lizards sem coroa, que ao se cruzarem, dessem garantidamente Lizards sem coroa e este factor fosse constituinte do genótipo.
     Assim e com o propósito de assegurar o futuro do Canário Lizard, compete-nos a nós criadores difundi-lo, com o intuito de melhorar a raça e torná-la acessível a todos os que a desejarem criar.


Standard

1. Desenho dorsal 25 pontos
2. Plumagem e condição 15 pontos
3. Desenho do peito 10 pontos
4. Cor de fundo 10 pontos
5. Asas e cauda 10 pontos
6. Calota 10 pontos
7. Sobrancelhas 5 pontos
8. Penas e cobertura 5 pontos
9. Bico, coxas e patas 5 pontos
10.Tamanho e posição 5 pontos

Discriminação:

1- Desenho dorsal (Spangles)- pela regularidade, alinhamento perfeito e marcação das escamas com que o desenho dorsal se apresenta alinhado e intervalado.
2- Plumagem e condição deverá ser sedosa, brilhante e aderente ao corpo.
3- Desenho do peito (Rowings)- pela extensão e regularidade das listas, nítidas e marcadas.
4- Cor de fundo Deverá ser uniforme, brilhante e límpida.
5- Asas e cauda devem ser negras, unindo-se as asas sem se cruzarem.
6- Calota deve ter cor uniforme, não passar abaixo da linha imaginária horizontal que divide o olho. Na sua ausência, parcial ou total, deverá haver escamas em continuidade com as escamas dorsais.
7- Sobrancelhas Devem delimitar a coroa dos olhos sendo formadas por pequenas penas escuras.
8- Penas e cobertura partindo das escamas dorsais elas devem ser pequenas, escuras ao máximo, prolongando-se até ás rémiges.
9- Bico coxas e patas Devem ser o mais escuras possíveis senão negras.
10- Tamanho e posição entre os 12,5 e os 13,5 cm. A posição no poleiro deve ser de 90°.




A Criação do Lizard


     O Lizard é um canário de fácil criação, bom índice de fertilidade, não necessita de amas, os machos em geral não dão problemas ajudando na manutenção da prole. Por ser um canário robusto a incubação dos ovos geralmente não passa os 13 dias e os filhotes geralmente saem do ninho ao 18º dia de vida tornando-se em cerca de uma semana auto-suficientes.
     No entanto há pormenores da raça que não se podem deixar de falar. Aquando da preparação dos reprodutores deve-se ter em conta que, por o Lizard ser uma ave muito activa, rapidamente está em condições de procriar, não se deve administrar vitamina E sintetizada, salvo raras excepções. Insisto neste pormenor pois pode levar o casal a não acabar o ciclo de gestação e crescimento normal da prole para recomeçar outro ciclo, perdendo-se a postura ou a ninhada. Substitui-se a vitamina E sintetizada e com efeitos mais fortes, pela vitamina E que encontramos nas sementes germinadas. Podem encontrar-se sementes próprias para germinar nas lojas da especialidade. As sementes germinadas acompanharão todo o período reprodutivo e ainda toda a muda da pena. Em termos de alimentação sigo a planificação descrita em Alimentação. Muitos ceiadores misturam as sementes germinadas à papa de criação, eu não faço isso, deixo que a preferência e necessidade das aves regule as quantidades, separando sementes secas, germinado, papa de cria e pão ralado.

     Quando um pequeno Lizard sai do ninho, geralmente ao 18º dia, coloco logo a grade entre ele e os pais, ou a mãe, para evitar a picagem. Coloco o poleiro, dos pais e o dos filhotes, mais chegado à grade, cerca de 3 cm. O ninho, com os restantes irmãos, fica no lado oposto ao dos pais no chão da gaiola, onde está o irmão precoce, eles serão sempre alimentados pelos progenitores chegando-se à grade. É importante levar sempre o ninho, mesmo que eles saiam enquanto se dá a mudança, pois em princípio voltarão lá, é a sua segurança.

    Passo a descrever normas para a criação do Lizard:

Calotas:

     As calotas ou coroas tem as seguintes abreviaturas:
SC-     Sem Calota
QSC-  Quase sem calota
CPT-   Calota partida
CQP-  Calota quase perfeita
CP-     Calota perfeita


Técnica para obter calotas:

     Todas estas calotas são válidas nos concursos, devendo-se cumprir a regra de nunca acasalar calotas perfeitas, pois o resultado será filhos com a calota a descer abaixo da linha horizontal que medeia o olho, sendo um grave defeito. No entanto pode acasalar-se uma calota grande demais com SC ou com QSC evitando o nascimento de filhos com o defeito de grande calota, o que não é regra.
    Os hipotéticos resultados do cruzamento entre calotas são:
1. Calota Perfeita X Calota Perfeita : não é recomendado devido há obtenção de filhos com calota grande demais, no entanto, pode-se obter alguns CP e CQP.
2. Calota Perfeita X Calota Quase Perfeita : obtêm-se CP, CQP e por vezes algum calota grande demais.
3. Calota Quase Perfeita X Calota Quase Perfeita obtêm-se CP, CQP e possivelmente calotas grandes demais.
4. Calota Quase Perfeita X Calota Partida: Alguns CQP, CPT e também CP
5. Calota Partida X Calota Partida : A maior parte são CPT, o resto CQP, CP, por vezes QSC e mesmo algum SC.
6. Calota Partida X Quase Sem Calota: Podem obter-se alguns QSC e por vezes SC
7. Quase Sem Calota x Calota Quase Perfeita: Obtêm-se QSC, alguns CPT e também SC
8. Sem Calota x Sem calota:
Obtêm-se SC, QSC e CPT
9. Calota Perfeita x Sem Calota: A maioria de CPT, algum CP, QSC , SC, CQP


Os dois factores no Lizard clássico:

O Dourado:
     O Lizard dourado é um canário de factor intenso. Caracteriza-se pela plumagem aderente ao corpo, a cor de fundo ser amarelo esverdeado, ter as escamas dorsais mais pequenas que o prateado, as listas peitorais menos marcadas, a cor das penas atinge o limite das mesmas.

O Prateado:
     O Lizard prateado é um canário de factor nevado. Caracteriza-se pela plumagem mais densa dando-lhe um aspecto mais "cheio", a cor de fundo ser num amarelo ténue quase branco, ter as escamas dorsais um pouco maiores que o dourado, as listas do peito são maiores, a cor das penas não atinge o limite das mesmas deixando uma ínfima réstia clara.



Princípio de acasalamento:


     Dourado x Prateado no entanto, se tal não for possível, é preferível um acasalamento de dourado/a x dourado/a que o que pode acontecer é morrerem os embriões devido à situação letal, no entanto podem nascer passarinhos dourados saudáveis embora pequenos. No caso dos Prateados é diferente pois nasceriam aves pequenas com uma plumagem excessivamente densa ocasionando quistos e más formações provenientes dessa excessiva densidade de plumagem.

     Como em qualquer canário que tenha factor intenso ou nevado pode acontecer que um dourado (intenso) tenha muita plumagem e que não seja o típico intenso de plumagem aderente ao corpo. Estes exemplares são válidos nas exposições e devem ser acasalados com o parceiro/a que seja prateado, mas um prateado não muito denso, assim obter-se-hão, com certeza, dourados e prateados de muito interesse. No caso dos prateados/as que não são escuros, tendo lipócromo na plumagem, devem ser acasalados/as com dourados/as em que o factor intenso seja bastante marcado, i.e., com a plumagem bastante aderente ao corpo obter-se-ão dourados muito bons.

     Um facto interessante é que, em igual condição e não sendo regra, os Lizards Prateados tomarem banho mais frequentemente do que os Lizards Dourados, devido talvez ao conforto e tonicidade que a água dá à pele quando a densidade de penas é maior e lhes causa algum desconforto na mesma.

     Na minha opinião devemos, tanto nos Lizards como noutras raças, tentar seleccionar aves com temperamento tranquilo, que se adaptem bem às diferentes situações que lhes são exigidas. É curioso pois este factor é muitas vezes genético. Aves que esvoaçam por tudo e por nada parecendo selvagens não se deixando julgar vão trazer alguns dissabores

     Espero que tenham gostado da apresentação, a mesma foi obtida do Blog Manuel J Murias.

Aqui ficam alguns exemplares dos meus pequenos Lizards:





Forte Abraço!!!